transferir (2)
Em entrevista à Sporting TV, no programa “A Hora do Presidente”, Bruno de Carvalho comentou o negócio conseguido pelo Benfica com a NOS, utilizando a ironia na hora de comentar as palavras de Luís Filipe Vieira numa recente entrevista.

“O Benfica nunca faz coisas redondas, vai sempre ao pormenor…”, começou por dizer, de forma irónica, aprofundando o tema depois:

“O futebol, infelizmente, não necessita de grandes adivinhos, é altamente previsível. Neste post que eu fiz (30/12), disse que tinha poucas dúvidas que os lacaios que andavam a ser desmascarados, até disse que vinha aí o boss dar um ar da sua graça e houve uma grande entrevista no dia a seguir. Não é preciso ser muito inteligente para perceber como isto funciona. Acho que a notícia estava para 800 milhões e mudaram para 750 para não dizer que tinha acertado. Toda esta congeminação é entendível para quem está no meio e para quem tenha algum cuidado a perceber as campanhas de manipulação da opinião pública”, acrescentou, continuando posteriormente o ataque ao Benfica, considerando que o grande impulsionador em relação aos direitos televisivos foi… Vale e Azevedo.

“Tenho ouvido dizer que o Benfica foi o grande impulsionador disto tudo. Então devia dizer que quem liderou o processo foi Vale e Azevedo que é que quem rasga o primeiro contrato. Ele que dê os louros a quem deve, porque foi ele que rasgou o primeiro contrato de direitos televisivos… Foi por isso que ficou conhecido. Pelo menos que dê esse mérito. Em segundo lugar, Rui Gomes da Silva disse, quando foi apresentado o negócio, deu a informação que o Benfica secou o mercado: ‘somos o maior e secámos o mercado. Quero ver o que vão fazer os rivais’. A estratégia deles era secar o mercado, ficar com a fatia do leão. Mas eles não são leão nenhum; o leão está do outro lado da 2.ª Circular. Foi muito claro: nem metade vão conseguir. Acham-se os melhores do Mundo, acham que estão acima de tudo. Não têm a dimensão que acham. Não quis liderar nada. Se há alguém que liderou foi Vale e Azevedo”, acrescentou.
Autor: Bruno Fernandes