Fonte O Jogo

“Benfica tem uma máquina de campanha tremenda”
Tudo o que aconteceu foi pensado. Houve dois objetivos muito claros naquele programa: as pessoas podem achar que isto é do mais incendiário possível, mas existe uma máquina de campanha do Benfica tremenda, muito grande e muito forte a nível de comunicação social. Há uma parte que até posso compreender, a sua tentativa de grandeza e afirmação, que compreendo porque entendo que todos os clubes o devem fazer. Mas depois há outra parte, muito suja nesta campanha, o espezinhar, tentar humilhar, dizer mal, lançar poeira. Isto tem uma cara visível e outra escondida. A cara visível, uma pessoa que se predispôs a esse papel, uma pessoa que tenta ser a cara, dizendo mentiras, não deixando ninguém falar. Mentiras? Dou o exemplo: disse que o Sporting não poderia recorrer da decisão do TAS. Pode o Sporting e pode qualquer pessoa e há “n” situações em que o Supremo Tribunal Suíço anulou decisões do TAS; depois disse que o Sporting poderia descer de divisão devido ao caso Cardinal. Completamente falso”

“Houve dois objetivos claros: primeiro, explicar uma série de situações aos sportinguistas e aos amantes do futebol em geral; segundo, demonstrar claramente que aquela peça absolutamente fundamental para essa campanha baixa que o Benfica quer fazer, sobretudo esta época, acentuando-se com a vinda de Jorge Jesus”