‘Não interessa como começa, mas sim como termina a época’ é uma citação que já se tornou chavão no futebol português e a verdade é que lhe assenta que nem uma luva. Prova disso mesmo é a carreira protagonizada por Rui Vitória, técnico que começou aos solavancos no Benfica, mas tem vindo a acelerar cada vez mais o seu ‘Ferrari’.

O treinador está a pulverizar recordes e, depois de ter afastado o Zenit da Liga dos Campeões, carimbou também a ultrapassagem a Ronald Koeman e Jorge Jesus ao vencer cinco dos dez desafios disputados. Tanto o holandês como o técnico do Sporting apenas conseguiram quatro.

Mas este é apenas a primeira de várias marcas atingidas por Vitória, que vê a sua equipa apresentar uma das melhores médias de golos por desafio (1,63 golos por encontro). Graeme Souness (98/99) e Jorge Jesus (13/14) ficaram para trás depois de terem somado como média máxima 1,33 tentos por jogo.

Para reescrever história, o timoneiro encarnado terá de levar a ´’águia’ até às meia-final da prova, igualando Toni. Em 87/88, o técnico levou o Benfica à final, que viria a perder para o PSV nos penalties.

Como se não fosse suficiente, Vitória ainda igualou José Mourinho e Jorge Jesus como o terceiro treinador luso a chegar aos quartos de final da liga dos Campeões (desde que esta se designa assim) na primeira vez em que disputou os oitavos de final da prova.

No capítulo interno, caso o Benfica vença o Boavista, Rui Vitória pode tornar-se no técnico com mais vitórias consecutivas fora de portas, depois de ter igualado Jimmy Hagan com a vitória na Rússia. Em 72/73, o britânico conseguiu os mesmos dez triunfos consecutivos. O treinador das ‘águias’ apenas tem de somar mais uma vitória para assinar nova proeza.

O Benfica começou a época aos solavancos, mas a verdade é que tem vindo a impor-se com nota de destaque nos últimos meses.